Arquivo da categoria: Crise

encargos trabalhistas impostos PT PSDB

Por que a CLT precisa ser modernizada

A CLT foi inspirada na Carta del Lavoro, promulgada por Benito Mussolini e seu governo fascista. Afirma dar muitos direitos aos trabalhadores, mas esconde que cobra muito caro por eles.

A CLT fascista tira o direito dos mais pobres de ter carteira assinada e extermina empregos, devido ao alto custo que gera para manter um funcionário.

Governos de esquerda como o fascista e o do PT adoram cargas tributárias altíssimas, piorando ainda mais a condição dos mais humildes, como mostra a tabela abaixo.

Tudo o que Mussolini fazia os petistas adoram: burocracia, estado inchado, altos impostos, controle estatal da economia, protecionismo, compra do apoio de empresários, controle da imprensa, desarmamento, supressão de liberdades e por aí vai. Mussolini se orgulhava muito da CdL, assim como os esquerdistas brasileiros amam a CLT.

Tudo, absolutamente tudo que o PT e o PSDB fazem, Hitler e Mussolini faziam. E a direita é que é fascista, né?

Anúncios

Crise: perigo ou oportunidade?

A grande maioria das pessoas encara as crises como eventos negativos, geradoras de sofrimentos e tribulações, sempre com consequências ruins. Sim, isso é verdade, mas por que não ter uma visão distinta sobre elas?

A palavra crise em chinês tem dois significados: perigo e oportunidade. Isso significa que esse povo milenar sabe há muitos séculos que uma crise significa a destruição de uma situação antiga para trazer a renovação para uma pessoa, um grupo ou uma sociedade. Por mais que ela traga sofrimento agudo imediatamente, ela força as pessoas a fazer mudanças duras que trarão benefícios no futuro.

Podemos observar que a maioria das sociedades teve grande progresso humano e econômico após grandes catarses, como ocorreu após a crise de 1929 nos EUA e após a Segunda Guerra Mundial na Europa. Ambos sofreram muito por um período de dez anos, que foram seguidos por 30 anos de progresso e prosperidade, pois foram obrigados a mudar comportamentos pobres para superar as dificuldades. Passaram por uma destruição criativa, que levou a uma reconstrução das sociedades, de forma aprimorada.

De forma paralela, o Brasil teve como principal crise o surto inflacionário do final dos anos 70 ao início dos 90, chamado de década perdida. Foi um período de grande dificuldade para a maioria dos brasileiros, mas muitos prosperaram nestes tempos bicudos. Foi necessária uma grande mudança de mentalidade de nosso povo, levando a um progresso substancial nos 20 anos que se seguiram. Neste ano de 2015, a fórmula usada desde o início do Plano Real se esgotou e vivemos uma grave crise novamente, que causará destruição no curto prazo e forçará a nação a combater suas mazelas e voltar a progredir. Quanto tempo demorará? Em um cenário otimista, se os indivíduos e o governo tomarem as medidas corretas, em cinco anos voltaremos a crescer. No pior cenário, se todos ficarem parados ou tomarem medidas ruins, teremos outra década perdida.

Mas crise é perigo ou oportunidade? Depende das atitudes das pessoas. Para aquela que viveu de forma irresponsável e imprevidente e não construiu uma base forte em sua vida, ela é um grande perigo, pois seu equilíbrio é instável e apenas um fator como o desemprego ou falência podem causar sua ruína, e terá que recomeçar do zero, após longo período de sofrimento. Por outro lado, o indivíduo previdente e responsável encontrará muitas oportunidades em seu caminho, e estando preparado para isso, experimentará notável prosperidade e sairá dela mais forte. Os milionários dizem que a crise é a época em que o dinheiro muda de mãos, levando à lona os menos capazes e levantando os que trabalharam melhor e girando a roda da economia para um novo patamar.

Por outro lado, aqueles que perderam com a crise serão forçados a eliminar maus comportamentos e mazelas para superá-la, podendo levar a duas situações: se forem bem-sucedidos em sua empreitada, voluntária ou forçada, sairão fortalecidos e viverão acima do patamar anterior, abraçando a oportunidade de progresso. Porém, podem se recusar a mudar, não se reerguerão mais e ficarão saudosos do passado, e a crise será permanente.

Relembrando a história clássica da formiga, que se prepara para a crise e da cigarra, que vive somente no presente, faço o resumo abaixo

CRISE= PERIGO PARA AS CIGARRAS, OPORTUNIDADE PARA AS FORMIGAS.