Conhecimento e Sabedoria

diferença de conhecimento e sabedoria

Nos dias atuais, há um  consenso o qual afirma que o conhecimento é o bem mais valioso que um ser humano pode possuir. Após 20 anos de escolaridade oficial, duas pós-graduações, centenas de cursos livres e milhares de livros lidos, posso afirmar que discordo de tal afirmação.

A quase totalidade das pessoas com mais experiência, estudo e leitura que eu também discordam que o conhecimento é o bem mais precioso de nossos dias. Há algo ainda mais importante:

A SABEDORIA

Não pretende-se desvalorizar o conhecimento de modo algum, posto sua enorme importância na conquista da sabedoria, conforme a definição abaixo, de Johnny de Carli:

“A SABEDORIA É FRUTO DO CONHECIMENTO APLICADO SISTEMATICAMENTE E DA EXPERIÊNCIA ACUMULADA”

A diferença mais notável entre o conhecimento e a sabedoria consiste na permanência desta, ante a perecibilidade do primeiro. Conhecimento fica obsoleto, sabedoria não.

Na educação do futuro, assim como na autoeducação, o objetivo final sempre será a conquista da sabedoria, conforme explicado no post Se você quer educação de qualidade, não vá para a escola! 

A educação atual consiste apenas no adestramento de indivíduos para exercerem determinadas profissões. O ensino superior em nada difere, tendo como principal diferença o fato de treinar os graduandos para ofícios considerados mais nobres e/ou bem remunerados pelo Estado e sociedade.

Na prática, os estudantes recebem apenas uma carga enorme de dados, informações e conhecimento teórico de aplicação prática baixa ou nula, altamente perecíveis. Prova-se facilmente em um exame superficial de livros didáticos de dez anos atrás e materiais de cursos do início dessa década, cujos conhecimentos se encontram claramente datados.

Abaixo, está a pirâmide de construção do conhecimento, velha conhecida dos estudantes de administração, engenharia, tecnologia da informação e quase todos os cursos superiores. Todo o processo de produção de conhecimento científico se baseia nela:

pirâmide de construção do conhecimento

Dados: Onde tudo começa. Essa enorme massa amorfa de registros aleatórios não possui significado algum sem interpretação e suas características se mostram inicialmente neutras. Eles são a origem do processo de construção do conhecimento e consistem de letras, números, imagens e outros registros de forma avulsa e desordenada. Dados são a matéria-prima da informação.

Informação: Nada mais são que os dados ordenados, interpretados e agrupados, para os quais se dará significado, utilidade e sentido. A informação confere forma e tratamento para uma massa de dados amarrada ou segregada. Posteriormente, faz-se a interpretação, novos tratamentos, agrupamentos, reagrupamentos, descarte e coleta de novos dados, gerando novas informações.

O tratamento de dados e informações consiste na parte mais dinâmica de construção do conhecimento. Estudos científicos, pesquisas de mercado, testes de produtos e serviços, análises estatísticas, jornalismo e quase todas as atividades humanas aplicam a maior parte de seus recursos na geração de informações.

Com o advento da informática, esta área se tornou tão importante que nasceu uma nova especialidade: a ciência de dados. A profissão de cientista de dados está em fase inicial e rápido crescimento, devido à sua importância fundamental na construção do conhecimento.

Conhecimento: Este nada mais é do que os resultados da interpretação sistemática da informação e a constatação de seus resultados. Pode-se gerar conhecimento em todas as atividades humanas, desde as mais triviais, como cozinhar uma panela de arroz, até as mais complexas, como a construção de foguetes.

Conhecimento é o conjunto de informações testadas e de resultado comprovado, seja ele positivo ou não, com nexo de causalidade conhecido. O conhecimento é obtido com a obtenção e tratamento de informações próprias e de terceiros, assim como a construção de novos conhecimentos se baseia no acréscimo de novos dados e informações sobre os já existentes.

A inovação, tão valorizada nos dias atuais, é o acréscimo de novas informações em um conhecimento já existente, ou no resgate de outro já esquecido e renovado com novas informações, e/ou combinado com outros conhecimentos. A interdisciplinariedade faz parte do processo de sua construção.

A construção de novos conhecimentos tem sido supervalorizada nos tempos atuais, o que se trata de um avanço sobre os antigos paradigmas, os quais tinham foco em dados e informações devido à sua dificuldade de obtenção. A informática democratizou a informação, e possuí-la antes de todos deixou de ser uma grande vantagem competitiva, posto que a internet a espalha rapidamente. Por outro lado, o conhecimento se mostra mais difícil e custoso de ser obtido, pois exige estudo e dedicação. Daí a sua importância.

Entretanto, a maior parte do conhecimento se mostra perecível e fica desatualizado rapidamente, como já mencionado no início deste texto. Isso corrobora a importância superior da sabedoria ante o conhecimento.

Repetindo a definição de Johnny de Carli:

“A SABEDORIA É FRUTO DO CONHECIMENTO APLICADO SISTEMATICAMENTE E DA EXPERIÊNCIA ACUMULADA”

O conhecimento se encontra em permanente construção, ao passo que a sabedoria é, sempre foi e sempre será algo permanente em todas as épocas. Aristóteles e Platão já a conquistaram há 2500 anos, assim como muitos indivíduos de todas as épocas a alcançaram, a partir de um conjunto de saberes totalmente distinto.

Outro ponto que coloca a sabedoria acima do conhecimento consiste na sua total acessibilidade e universalidade. Enquanto o conhecimento está mais acessível a quem pode pagar por ele, a sabedoria não pode ser comprada, apenas conquistada.

A posse de grande conjunto de conhecimentos têm pouca relação com a sabedoria, por isso podemos ver pessoas sem escolaridade ou recursos financeiros agindo e vivendo com mais qualidade em comparação a muitas que tudo possuem.

Observa-se que empreendedores de origem humilde e sem estudo conseguem melhores resultados profissionais, pessoais, familiares e financeiros em relação a alguns intelectuais com pós-doutorado, viajaram o mundo, leram dezenas de milhares de livros, nasceram em família de classe média alta e tiveram alto investimento em sua formação. Por que isso acontece?

Falta a sabedoria ao segundo, apesar do vasto conhecimento teórico e acadêmico. Em sua área. O fato de o conhecimento ser mais específico, o intelectual possui seu repertório muito concentrado em sua área de atuação, ao passo que o empreendedor foi levado a obter saberes mais gerais, aprendidos pelas suas necessidades pontuais.

Muitos profissionais fecham a mente para conhecimentos fora do currículo de sua área, especialmente se não fazem parte do acervo da sua profissão. Talvez este pós-doutor acredite que conhecer psicologia e relações interpessoais não seja importante, pois a cultura de sua profissão os rechace por ser alheios à sua área, ao passo que o empreendedor o aprendeu empiricamente, e o valoriza de forma natural. Isso faz parte da sabedoria, pois ele compreende que precisa entender o ser humano para vender e atender bem os seus clientes, assim como seu colega de mestrado tenha a mente mais flexível e os valoriza. Daí ele se pergunta porquê ele recebe abaixo da média de sua profissão.

Talvez o indivíduo com a parede cheia de diplomas despreze finanças pessoais, direito, administração e contabilidade por “não ser da sua área” ou “estimular o capitalismo e aumentar a desigualdade social”, mas o empreendedor sem estudo os aprendeu por questão de sobrevivência, pois sabe que seu negócio não sobrevive sem tais habilidades, assim como sua família.

Muitos indivíduos ricos e bem-sucedidos possuem conhecimento inigualável em sua área, mas seu autocontrole e autodisciplina se mostra inferior ao ser humano médio. O resultado termina em uma vida conturbada, cheia de altos e baixos, problemas de saúde, divórcios e males de todos os tipos, pois falta sabedoria – e conhecimento – dos temas comuns da vida. Diversos artistas e esportistas sofrem com sua intemperança e imprevidência.

Alguns ricos e famosos se deslumbram com o sucesso e cometem diversos desvarios. Opinam sobre assuntos que não estudaram, pois acreditam que tudo sabem. Por estarem no topo, vivem como se não houvesse amanhã. Outros indivíduos igualmente bem-sucedidos compreendem a insuficiência de suas habilidades e saberes, assim como da transitoriedade e instabilidade de sua condição e seguem um estilo de vida oposto. A diferença entre Jorge Paulo Lemann e Eike Batista corroboram o impacto que a sabedoria tem.

Conhecimento sem aplicação não gera frutos, ao passo que a sabedoria sempre traz bons resultados a quem a conquista. O conhecimento é perecível, a sabedoria é permanente. O conhecimento é específico, a sabedoria se aplica a tudo. A sabedoria é democrática, e não discrimina ninguém por sexo, cor, escolaridade, origem, raça, classe social ou orientação sexual.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s