Decifrando o léxico esquerdista: Fascista

mais-amor

Todos aqueles que têm algum interesse em política sabe da incrível capacidade da militância de esquerda em distorcer significados de palavras para tentar fazer suas narrativas parecerem verossímeis através de artifícios dialéticos (veja um breve resumo deles aqui), usados em larga escala.

Algumas palavras-chave do jargão vermelho são: machista, homofóbico, nazista, burguesia, proletariado, revolução, reacionário, etc.

O termo deste post é FASCISTA e FASCISMO.

O regime totalitário implantado na Itália por Benito Mussolini, um sindicalista eleito democraticamente em 1922, se declarava socialista e propunha o controle absoluto do Estado sobre toda a vida da nação. Seu lema era “tudo para o Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado”.

Leia também: Por que o fascismo é de esquerda

Após conquistarem o poder, os fascistas passaram a combater e exterminar opositores, controlar e censurar a mídia, acabaram com todos os partidos, exceto o fascista, tiraram a liberdade de crença e credo e expropriaram propriedades privadas para distribuir a aliados. Naturalmente, Mussolini foi muito próximo de Hitler e Stálin por afinidade ideológica, parceria rompida apenas em  1942-43, durante a II Guerra Mundial.

Na esfera econômica, o fascismo se mostrava anticapitalista e antiliberal, assim como seus irmãos nazismo e comunismo. Porém, ao contrário deste último, as empresas não eram propriedades do governo, mas ficavam nas mãos de agentes privados que apoiavam o partido com grandes montantes de dinheiro para fazer campanhas políticas e propaganda da agenda defendida pelos líderes, com vistas a fazer a revolução cultural. Em troca, recebiam do Duce monopólios e medidas protecionistas para combater concorrentes externos e cobrar preços mais altos dos consumidores, assim como farto crédito via instituições vinculadas ao Estado. Esquemas de corrupção de agentes públicos e privados em conluio faziam parte daquele sistema.

Uma simbiose promíscua entre empresários e governo, muito parecida com a empreendida por dois partidos socialistas que estiveram no poder entre 1995 e 2016 no Brasil, com resultados desastrosos.

Assista ao vídeo: Mussolini explica porque o fascismo é de esquerda

Mas se o fascismo era um regime socialista, o que os socialistas brasileiros querem dizer quando chamam seus opositores de fascistas?

NO JARGÃO DA ESQUERDA, FASCISTA SIGNIFICA ANTICOMUNISTA.

E por extensão, antipetista.

Liberais, conservadores, capitalistas, pessoas que não apoiam as bandeiras do governo, apoiam opositores, defendem a liberdade de expressar opiniões politicamente incorretas ou simplesmente divergem das pautas marxistas são chamadas de fascistas.

Qual a falácia utilizada pela esquerda para comparar liberais e conservadores com fascistas?

Apesar da enorme quantidade de semelhanças entre o fascismo e o comunismo, eles se apegam a três diferenças entre eles e que constituem semelhanças com democracias capitalistas, e o nazismo:

1 – O fascismo era conservador, com apelo à família, à religião católica, impondo disciplina rígida e coibindo vícios e promiscuidade sexual. Algo feito naturalmente em democracias pela própria sociedade, era imposto à força nas ditadura fascista. Outro ponto importante consiste no fato de haverem grandes distorções para se adaptar ao regime, como o desarmamento civil, o extermínio daqueles que não seguem as regras, e a educação doutrinadora, impensáveis em uma democracia,

O comunismo, por sua vez, permitia todo tipo de devassidão, pois Stálin afirmava que um jovem sem moral entregue aos próprios instintos era o melhor agente da revolução.

O alvo dessa falácia são os conservadores, chamados de fascistas ou nazistas apenas por não concordarem com comportamentos libertinos defendidos pela esquerda, como defesa de criminosos, liberação de entorpecentes e anti-religiosidade. Ou seja, se você cobra a punição de um marginal, é contra as drogas e a favor do cristianismo e da ordem social, você é fascista.

2 – O fascismo era uma ideologia nacionalista, a qual visava o bem da Itália, ao passo de que os lideres comunistas pretendiam implantá-lo em todas as nações. Uma variante do fascismo era o nacional-socialismo alemão. A esquerda brasileira defende o internacional-socialismo (c0munismo) atacando o nacional-socialismo (nazismo e fascismo), usando o espantalho do forte patriotismo norte-americano prevalente até pouco tempo atrás.

Grande parte dos liberais e conservadores veem nos Estados Unidos o maior exemplo de sucesso da democracia capitalista, e comparam a única semelhança do fascismo com os EUA: o nacionalismo. Mesmo com tudo o mais diferente (pelo menos até dez anos atrás), essa pequena e única semelhança é a falácia da esquerda para chamar direitistas de fascistas.

3 – Diferenças na gestão da economia. Enquanto os comunistas pregam a propriedade de tudo pelo Estado, inclusive as pessoas, o fascismo optou pelo capitalismo de compadrio, no qual os empresários eram os proprietários sob a condição de obedecer todas as ordens dos governantes e cumprir sua agenda, em troca de privilégios.

Esta falácia tem como principal alvo os liberais, libertários e defensores do livre mercado. Devido ao maior êxito econômico em relação ao socialismo e à propriedade não-estatal, a esquerda brasileira criou a falácia que o fascismo era capitalista, a despeito de toda a intervenção estatal na economia.

Chamar liberal de fascista apenas por causa da divergência com o comunismo sobre a propriedade estatal de todos os bens é uma distorção clássica.

Leia também: Sempre que te chamarem de fascista ou nazista, responda com esses argumentos

Os vermelhos também afirmam que o fascismo é antimarxista, o que é uma meia verdade. Mussolini, Hitler e Stálin foram aliados até meados da II Guerra Mundial, quando Hitler traiu Stálin e invadiu a Rússia. De fato, quando o fascismo e o nazismo foram derrotados em 1945, eles se posicionavam contra o regime soviético. Mais por causa da briga política que por divergências ideológicas, sendo as principais citadas acima.

Este léxico do jargão esquerdista tem a distorção de seu significado original muito claro: para eles, ser fascista é ser anticomunista. A verdade foi resumida em uma frase de Winston Churchill, o homem que derrotou os fascistas e nazistas na II Grande Guerra:

“Os fascistas do futuro se chamarão de antifascistas.”

Anúncios

2 ideias sobre “Decifrando o léxico esquerdista: Fascista

  1. Pingback: Sempre que alguém chamar Bolsonaro de fascista ou nazista, responda com esses argumentos | Visão Distinta

  2. Pingback: 11 lições que Donald Trump ensinou ao mundo nas últimas eleições | Visão Distinta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s