Diferenças entre protestos de esquerda e de direita (contadas por alguém que já participou de ambos)

diferença de protestos de esquerda e direita

A primeira vez que participei de uma manifestação foi aos 16 anos. Foi um protesto do PT contra o FHC e o FMI. Os ativistas da UNE foram à minha escola e ofereceram dois ingressos para festas da USP na sexta uma sábado mais uma cervejada logo após o ato.
Adolescente ingênuo que eu era, fui. Considero que fui mais bem pago que os manifestantes atuais, fora a lição de vida que não tem preço.
Ano passado e neste, voltei às ruas para protestar contra o governo novamente, desta vez contra o PT, as pedaladas, a corrupção, a doutrinação marxista nas escolas, contra o Foro de São Paulo e o socialismo. A forma como os manifestantes de direita se portam é exatamente o oposto dos vermelhos.
No protesto que fui em 1999 houve quebra-quebra, agressão à população e uma pequena parte das centenas de pessoas que estavam nas ruas provocavam e xingavam a polícia. Algumas dezenas estavam mascarados. Houve tumulto, prisões e muita confusão. Foi a primeira vez que vi bombas de gás lacrimogêneo.
Para ser justo: meia dúzia de bandidos agiam de forma violenta e botavam a integridade física dos demais em risco. O resultado foi o mesmo dos atos dessa semana: muitas prisões, feridos e destruição do patrimônio alheio.
Nos protestos verde-amarelo se de 2015 e 2016, a realidade é outra. Muito respeito e organização. A polícia era vista como aliada, pois todos sabem que o inimigo são os bandidos. Nenhum preso, nenhum ferido, nada depredado.
Ali se via a solidariedade e o respeito esperado em uma democracia. Havia gente de todos os tipos, crianças, idosos, famílias e até cadeirantes. Muito diferente dos playboyzinhos e patricinhas mascarados dos protestos vermelhos.
Após passar 16 anos da minha vida participando dos mais diversos tipos de manifestações, aprendi 4 pontos importantes sobre como não apanhar da polícia:
1- Respeite a população que não participa do ato. Não ofenda nem agrida ninguém.
2- Uma manifestação democrática não precisa prejudicar o próximo. Siga a direção planejada e não invada áreas proibidas. Respeite a orientação dos agentes públicos e siga o roteiro.
3- A tropa de choque não agride ninguém nem joga bombas de efeito moral sem alguém ter usado de violência previamente. Ninguém apanha da polícia sem motivo, a não ser que esteja perto de algum agressor.
4- A polícia tem a mídia vendida contra ela, portanto, reprimir vândalos violentos tem um custo midiático alto para a corporação. Os policiais sabem que um mínimo excesso gera milhares de manchetes negativas contra eles. Assim, eles fazem de tudo para não usar a força e só o fazem quando essencialmente necessário.
Resumindo tudo em uma frase. Se não quer apanhar da polícia em protestos, respeite o roteiro, não ofenda nem agrida a população, entenda que a polícia está lá para te proteger, não a xingue nem jogue objetos, não invada nem deprede o patrimônio alheio e não cubra o rosto. Seguindo essas recomendações simples, nada vai acontecer.
Não venha com essa história de medo de protestar. Basta fazê-lo de forma pacífica e democrática que não tem perigo algum. Quem não gosta de polícia é bandido.

Anúncios

Uma ideia sobre “Diferenças entre protestos de esquerda e de direita (contadas por alguém que já participou de ambos)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s