EXPOR OS CRIMES DOS REVOLUCIONÁRIOS COMUNISTAS AO POVO BRASILEIRO. ESSE É O VERDADEIRO PAVOR DE DILMA ROUSSEFF.

kozel

O discurso de Jair Bolsonaro na votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff explicitou a urgência em revermos a história do Brasil. Ao citar a memória de um torturador de guerrilheiros golpistas, colocou o dedo em uma ferida dos marxistas e ressuscitou um tabu criado pela esequerda. Está sendo duramente perseguido por isso, como esperado. Não se pode mexer com um dogma sagrado dos petistas/psolistas/tucanos sem sofrer censura e reprovação da mídia alimentada a verba pública.

Em falas de quase todos os parlamentares que votaram contra o povo brasileiro, as palavras “democracia”, “constituição”, “voto popular” e “liberdade”, foram usadas por políticos que pegaram em armas para transformar o Brasil em uma grande Cuba e defenderam torturadores de esquerda como Lamarca, Marighella e Che Guevara, sem sofrer censura alguma por parte da mídia e da opinião popular. Conseguiram manipular a consciência coletiva. Esse tabu precisa ser quebrado.


Sim, Bolsonaro errou ao citar o torturador de Dilma, pois tocou em um assunto do qual a grande massa não está preparada para debater. Tudo o que falou contém verdades, assim como explicitou os horrores que a guerrilha do Araguaia e facções como Colina e VAR-Palmares causaram ao povo brasileiro.

Sim, os revolucionários defendidos pelos governistas também torturaram, mataram e violentaram, mas a esquerda esconde isso. José Dirceu e José Genoíno eram agentes da KGB, a agência de inteligência soviética, cuja missão era implantar uma ditadura totalitária no Brasil.

EXPOR OS CRIMES DOS REVOLUCIONÁRIOS COMUNISTAS AO POVO BRASILEIRO. ESSE É O VERDADEIRO PAVOR DE DILMA ROUSSEFF.

Os militares torturaram e mataram 438 pessoas, em sua quase totalidade terroristas a serviço de Cuba e da União Soviética. Muitos foram detidos, mas pouquíssimos inocentes foram injustiçados. Houve repressão sim, mas com o objetivo de preservar o Brasil do horror socialista. Os excessos do outro lado também precisam ser mostrados.


Após 1985, ano da redemocratização após a derrota da guerrilha armada que pretendia implantar uma ditadura totalitária comunista no Brasil, os políticos de esquerda passaram a ter liberdade para expressar suas ideias. Claro que isso foi bom, posto que os militares cumpriram sua missão e liberaram a liberdade de expressão de ideias socialistas paulatinamente, conforme os terroristas iam sendo derrotados.

Ao mesmo tempo, as universidades passaram a ser dominadas majoritariamente por intelectuais de esquerda, banindo quase totalmente os de direita. Assim, o debate de ideias foi eliminado e apenas o socialismo e comunismo passaram a ser aceitos por lá. A esquerda criou um novo tabu, criado por aqueles mesmos jovens que falavam “é proibido proibir”:

É PROIBIDO FALAR DA DITADURA MILITAR DO PONTO DE VISTA DA DIREITA

Aqueles que reclamavam da censura dos militares impuseram a sua censura contra seus opositores, com apoio da imprensa e respaldo da maior parte da sociedade. O que se seguiu foram excessos de todo tipo e a difusão de ideias de apenas um lado, o da esquerda que lutou contra o regime militar. Defendê-los se tornou quase um crime, punido com repressão social e intolerância.

Os livros de história usados pelos alunos e a elaboração do currículo escolar pelo MEC é comandada por esquerdistas, os quais tratam de mostrar uma visão parcial e enviesada do período de 1964 a 1985, somando a defesa de ideologias totalitárias como o comunismo, responsável pela morte de muitos milhões de pessoas.

As nossas crianças foram privadas de conhecer a visão de ambas as partes, admitindo a visão da esquerda como verdade absoluta, um dogma que jamais pode ser questionado. Os alunos que os contrariam são fortemente reprimidos e os professores calam o debate.


Com o amadurecimento da nossa democracia e liberdade, defendida e garantida pelo trabalho dos militares, hoje podemos e devemos reabrir o debate. Precisamos mostrar à sociedade o outro lado da moeda, a perspectiva da direita. Muitas mentiras foram propagadas pela esquerda nas universidades, as quais suprimiram e manipularam os trunfos dos militares e expuseram seus erros, ao passo que escondem suas más intenções e se colocam como senhores da verdade e monopolistas das boas intenções. Criaram uma visão maniqueísta do período.

O intuito da direita não é negar os erros dos militares, mas mostrar as reais intenções dos guerrilheiros comunistas que lutaram ao lado de Che Guevara, Dilma Rousseff, José Dirceu e José Genoíno. Vivemos em uma democracia e o debate deve ser isento. Ambas as partes devem falar e cada cidadão deve escolher a versão que lhe faz mais sentido. Ninguém pode ser censurado.

Neste novo período da história do Brasil, novas ideias devem ser propagadas. Todos devem falar. Não pode haver censura de nenhuma ideia. O discurso de Jair Bolsonaro na votação do impeachment mostrou a urgência em revisitar a história do Brasil, e revelar o que a esquerda escondeu. Isso é democracia. Todos devem ter voz e os tabus criados pelos intelectuais comuns devem cair por terra.

A DIREITA TEM VOZ E VAI FALAR!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s